Florescem as árvores

Dezembro começou com o raro espetáculo de árvores de Natal adornando as lojas, os hotéis e outros sítios públicos. Depois de vários anos nos quais se erguiam somente nas salas de algumas casas, voltaram a brotar e sua neve polvilhada contrasta com o sol lá fora. Pareceria que a proibição de coloca-las nas janelas, lobbies e cafeterias caducou ou que o atrevimento natalino nos fez despreza-la. Já vivemos – várias vezes – este florescimento que logo depara-se com o fio do machado quando alguém “lá de cima” assina uma circular proibindo-o.

A primeira vez que vi estas sobrecarregadas arvorezinhas, tinha eu dezessete anos, a União Soviética havia colapsado e ser ateu estava já fora de moda. Parada na entrada de uma igreja na rua Reina, não decidia a me aproximar do Nascimento e das bolas de cristal que pendiam dos galhos. As histórias do ocorrido aos que haviam sido rejeitados por ter uma crença religiosa me retinham na porta. Boquiaberta ante o tamanho daquela árvore de Natal, rompi o medo e me aproximei do ardente presépio.

Com a abertura das lojas em moeda estrangeira e o auge do turismo, as adornadas árvores se extenderam por todas as partes e o hotel Habana Libre chegou a ter a maior de toda a cidade. Os pais levavam seus filhos para passear perto do verdor iluminado debaixo da estrela que o coroava. Porém certos obstinados – com poder – consideraram cada árvore como uma derrota que havia de se reverter. Assim, tentaram nos devolver à paisagem aborrecida daqueles dezembros dos anos setenta e oitenta, porém já o gosto por pendurar as guirlandas havia submetido uns quantos.

Depois de vários anos sem ver o piscar de suas luzes no locais públicos, este fim de ano nos surpreende com o bem-vindo florescer de um bosque conhecido. Debaixo de seus galhos, uma mulher faz dormir seu bebê que não sabe ainda de proibições, árvores prescritas nem cruzes escondidas debaixo da camisa.

Anúncios