Sindicalismo por conta própria

cuentapropista

O Escritório Nacional de Administração Tributária (ONAT) abre suas portas e já há dezenas de pessoas aguardando desde muito cedo. Uma funcionária explica aos gritos onde cada fila deve se situar para cada trâmite, mesmo assim passados poucos minutos a confusão voltará a reinar. Numa escrivaninha sem computador outra funcionária escreve a mão os detalhes de cada caso atendido. A parede atrás das suas costas está manchada de umidade, o calor é insuportável e a cada momento alguém a interrompe para lhe pedir umas planilhas. Uma instituição que arrecada anualmente milhões de pesos em impostos continua com os pés de barro da precariedade material e a má organização. Locais congestionados, trâmites intermináveis e falta de informação são só alguns dos problemas que marcam sua gestão.

Contudo os tropeços não terminam aí. A inexistência de mercados atacadistas estáveis e com produtos diversificados, freiam também o setor privado, Os inspetores caem sobre as cafeterias, restaurantes e outros negócios autônomos. A greve ou qualquer demonstração pública no sentido de se reduzir os obstáculos continuam terminantemente proibidas. Espera-se dos trabalhadores por conta própria que contribuamos com o orçamento nacional, porém não como cidadãos dispostos a reclamar. O único sindicato permitido, a Central de trabalhadores de Cuba (CTC) tenta absorverem-nos em suas estruturas engessadas. Pagar uma mensalidade, participar desses congressos onde se consegue pouco e desfilar apoiando o mesmo governo que despede milhares de empregados; a isso querem reduzir nossas ações coletivas. Por que não se cria e legaliza uma organização própria, não manejada pelo governo? Uma entidade que não seja correia de transmissão do poder aos trabalhadores, mas sim o contrário.

Lamentavelmente a maioria dos trabalhadores por conta própria não observa que a independência salarial e produtiva tem que vir a par da soberania sindical. Muitos temem que a menor insinuação de exigência lhes tire a licença ou tomem outras medidas contra eles. Por isso se calam e aceitam as ineficiências da ONAT, a incapacidade de importar matérias primas do estrangeiro, os excessos dos inspetores e outros tantos obstáculos. Tampouco as organizações da emergente sociedade civil têm conseguido capitalizar as necessidades deste setor e ajudá-lo a alcançar representatividade. A aliança necessária entre grupos sociais que dividem inconformidades e demandas não consegue se concretizar. Desse modo as nossas reivindicações trabalhistas seguem postergadas, entre o medo de alguns e o descuido de outros,

Tradução e administração do blog em língua portuguesa por Humberto Sisley de Souza Neto

Anúncios

One thought on “Sindicalismo por conta própria

  1. Trabalhador por conta própria.
    Alguns por acaso sabe se Lenin escreveu algo sobre trabalhador por conta própria.
    Para mim isso é estranho.
    .
    Como se pode ser um socialista trabalhando sozinho e recebendo tudo que ganha apenas para ele e ninguém mais.
    .
    Uma grande parcelas de trabalhadores por conta própria atuam no ramo da alimentação.
    Acho que os hospitais devam viver cheios de pessoas com diarreia, face a falta de controle sanitário dos produtos a venda.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s