Jaleco branco

jeovany_jimenez

Guanajay tem um parque central que parece ser de um povoado maior e um tráfego de carros com a intensidade uma capital. Justamente ali Jeovany Jiménez esteve em greve de fome durante 28 dias, reclamando seu direito de voltar a exercer a medicina. Havia sido inabilitado dessa profissão desde 2006 quando protestou por um aumento salarial minguado para os profissionais de saúde pública. Queixou-se dos escassos 48 pesos cubanos (2 USD), somados – com grande alarde – ao soldo de cirurgiões, anestesistas, enfermeiras e outro profissionais do setor. Juntamente a medida administrativa que lhe foi aplicada, também foi afastado do Partido Comunista onde militava. Nos finais de 2010 e ante a ausência de respostas institucionais aos seus reclamos, abriu o blog Ciudadano Cero na plataforma Voces Cubanas.

Depois de enviar ao Ministério da Saúde Pública (MINSAP) uma vintena de cartas durante mais de cinco anos, o proscrito Dr. Jiménez recorreu a uma estratégia desesperada, deixar de ingerir alimentos até que o reabilitassem no posto. Em meio à tristeza dos seus amigos e a curiosidade dos transeuntes que passavam pelo parque de Guajanay, começou a perder kilogramos e esperanças. Desde 5 de março passado negou-se comida e só restavam duas opções: abandonar a greve sem alcançar seus objetivos ou terminar num ataúde. O mais incrível dos cenários seria que o chamassem de volta como médico, dada a dureza das instituições na hora de reparar uma injustiça. E, contudo o milagre aconteceu.

Ontem, domingo, dois funcionários do MINSAP levaram à Jeovany Jiménez a resolução 185, onde lhe é permitida a volta ao trabalho como médico. Vai inclusive lhe reintegrar o salário que lhe deixaram de pagar nestes seis anos de desemprego. Para chegar neste final feliz o Dr. Jiménez teve sua tenacidade como arma principal, esta constância catalogada quase como uma obsessão por muitos dos seus conhecidos. Este protesto que não teve aspecto político, mas sim trabalhista, contou com a magnífica ferramenta da Internet para lhe dar visibilidade como também os microfones dos jornalistas, emissoras de rádio e televisões estrangeiras que jogaram luz sobre castigo administrativo tão desproporcional. Porém o toque final ele deu no seu próprio corpo. Esse corpo dos outros que ele jurou cuidar e que colocou em risco em si próprio para que lhe devolvessem o direito de curar. Um médico que tenha lutado assim para voltar às consultas, ao estetoscópio sobre o peito, ao jaleco branquíssimo e a letra apertada das receitas merece mais, merece um diploma de ouro.

Tradução e administração do blog em língua portuguesa por Humberto Sisley de Souza Neto

Anúncios

18 thoughts on “Jaleco branco

  1. .
    Do twitter da Yoani.
    .
    Petición firmada para denunciar represión en los días del #PapaCuba
    .
    http://www.ipetitions.com/petition/declaracion-de-protesta-a-raiz-de-la-visita-de/
    .
    .
    Colo abaixo a texto da petição.
    .
    Previa y durante la visita del Sumo Pontífice el gobierno cubano realizó una ola de arrestos y detenciones arbitrarias con el objetivo de aplastar cualquier legítimo reclamo, crítica o acusación desde la ciudadanía a la vez que intentaba mostrar un país marcado por la uniformidad.
    .
    Las detenciones se dirigieron no solo contra opositores, disidentes y activistas políticos sino también contra artistas, periodistas independientes y todo aquel que el gobierno consideró que podía afectar un “armonioso” libreto previamente diseñado.
    .
    La labor de férreo control, conocida como Operación Voto de Silencio, incluyó cortar la comunicación con el mundo exterior y desarticular todo contacto entre los activistas sociales dentro de la isla. Esto mediante la interrupción de teléfonos fijos y celulares y con la connivencia de la empresa telefónica (ETECSA/ CUBACEL).
    .
    Todas estas acciones se realizaron con total impunidad e irrespeto de los derechos y garantías individuales. Lamentablemente ha existido hasta ahora, un silencio cómplice por parte de la jerarquía eclesiástica cubana.
    Los firmantes a continuación condenamos estas nuevas violaciones.
    .
    Repudiamos la hipocresía y manipulación con la que el gobierno cubano intenta engañar a la comunidad internacional y pedimos la solidaridad ante estos actos abusivos y violatorios.

  2. CAMPANHA CONTRA A IMPUNIDADE ALCOÓLICA NO TRÂNSITO BRASILEIRO!
    VOCÊ VAI TOMAR COSNCIÊNCIA OU MAIS UM DRINK?
    ASSINE A PETIÇÃO!
    Você pode ajudar ATIVAMENTE a mudar nossa lei e acabar com a impunidade no trânsito brasileiro.
    Clique no link abaixo e assine eletronicamente nossa petição pública!
    Para fazer parte da mudança, clique AQUI.
    http://naofoiacidente.org/blog/assine-a-peticao/

  3. Mas de acordo com toda e esquerdalha bananeira, os cubanos vivem em democracia e podem protestar, né Zé larapio Dirceu, Maria da ditadura rosário, fradeco bettio, mumia miemayer, chico devolve o jabuti, llularapio, dilmanta, et caterva?
    Aqui eles querem bolsa terrorismo.
    Lá eles apoiam a tirania.

  4. “Um estatista é uma pessoa que acredita que alguns homens têm o direito de forçar, coagir, escravizar, roubar e assassinar outros. Para ser colocada em prática, essa crença tem de ser implementada pela doutrina política de que o estado tem o direito de iniciar o uso da força física contra os seus cidadãos. Quantas vezes a força é usada, contra quem, em que medida, para que e para quem, são questões irrelevantes. O princípio básico e os resultados finais de todas as doutrinas estatistas são os mesmos: a ditadura e a destruição. O resto é apenas uma questão de tempo.” – Ayn Rand

  5. Los hermanos ditadores

    Ditador substituto Raúl Castro foi se queixar ao irmão ditador-em-chefe Fidel:

    Não aguenta mais recepcionar Hugo Chávez no aeroporto de Havana.

    “No seu tempo, ditador de Cuba tinha mais o que fazer!”

  6. LOS ESPÍAS CUBANOS EN VENEZUELA SON LOS QUE MANTIENEN EL REGIMEN DE HUGO CHÁVEZ

    Lunes, 02 de Abril de 2012 09:14
    Espías cubanos con acceso directo al presidente Hugo Chávez juegan un papel fundamental en sostener el régimen de Caracas, informando constantemente al mandatario sobre los movimientos de la oposición, las murmuraciones en los cuarteles y toda señal de potencial traición dentro de las filas revolucionarias, señalaron informes de WikiLeaks.

    Los informes, que incluyen cables del Departamento de Estado y análisis de la firma privada de inteligencia Stratfor, dan muestra de la alta dependencia de Chávez en los servicios cubanos de inteligencia y de cómo La Habana hace uso de su influencia para apertrechar cada vez más su posición en Venezuela.

    Según los cables, La Habana fortaleció los servicios de inteligencia que estaban a disposición de Chávez como jefe de Estado, entrenando a sus empleados y adoctrinándolos.
    Pero también suministró miles de agentes que operan con total liberad en Venezuela para moniteorear a la oposición y detectar cualquier riesgo de alzamiento dentro de las fuerzas armadas.
    “La capacidad de inteligencia venezolana recibió un fuerte impulso después de que Chávez se alió con Cuba […] Esa es la razón por la que Chávez está tan endeudado con [ellos] […] su régimen puede detectar todo complot de antemano y puede mantener vigilada a la oposición por la gran cantidad de cubanos involucrados en la recolección de inteligencia”, dijo un analista de Stratfor en un correo electrónico interno elaborado en referencia a un artículo de El Nuevo Herald sobre el espionaje a la oposición venezolana.
    “Lo que hay que recordar es que el SEBIN [Servicio Bolivariano de Inteligencia] nunca ha sido tan efectivo (al menos domésticamente) si no fuese por los cubanos. Si Cuba alguna vez decidiera retirar su cooperación, Chávez tendría que desarrollar alguna capacidad de inteligencia rápidamente, porque de lo contrario quedaría jodido”, añadió el reporte, que forma parte de los más de cinco millones de correos electrónicos de la compañía filtrados por WikiLeaks.
    Otro correo electrónico de Stratfor, firma que brinda informes de inteligencia y de riesgo para clientes corporativos, resalta el crucial papel que juega Cuba en la sostenibilidad del régimen.
    “El uso de activos de inteligencia de un jugador externo interesado en mantener el flujo barato de petróleo ha ayudado a Chávez a maniobrar cuidadosamente y administrar situaciones de política doméstica potencialmente venenosas”, resaltó el informe.
    La infiltración cubana también fue reportada por la embajada de Estados Unidos en Caracas, en otro cable divulgado por WikiLeaks.
    El informe titulado “Eje de Travesuras”, resaltó que las operaciones de los servicios de inteligencia cubanos en Venezuela están tan avanzadas que estos incluso compiten contra los venezolanos para captar la atención del gobierno bolivariano.
    “Oficiales de inteligencia cubanos tienen acceso directo a Chávez y frecuentemente le suministran informes de inteligencia sin que está sea primero autorizada por oficiales venezolanos”, señaló el cable.
    El informe también reportó que integrantes de los servicios de inteligencia cubanos entrenan a sus similares venezolanos y que esa formación también incluye adoctrinamiento político.
    Asimismo, el autor del informe advirtió que la presencia de espías cubanos en Venezuela podría impactar directamente los intereses de Estados Unidos.
    “Los servicios de inteligencia venezolanos están entre los más hostiles hacia Estados Unidos en el hemisferio, pero carecen de las habilidades que los servicios cubanos pueden suministrar”, dijo el reporte.
    “Los servicios de inteligencia cubanos suministran informes de inteligencia al gobierno bolivariano rutinariamente sobre las actividades del gobierno de Estados Unidos”, señaló.
    Los activos de la inteligencia cubana son una de las razones por las que el gobierno de Chávez subsidia a Cuba con petróleo y pagos directos que según estimaciones privadas podrían sumar entre $5,000 millones y $10,000 millones, pero no es la única.
    Los cables también señalan que Chávez está haciendo uso de los cubanos para que le ayuden a crear el ordenamiento político e institucional que le permita mantener un control más férreo sobre el país, y en particular sobre la institución militar.
    Los documentos resaltan que La Habana ha infiltrado a las Fuerzas Armadas “virtualmente en todos los niveles”, al tiempo que Cuba ha aprovechado la influencia que ejerce sobre Chávez para “apertrecharse aún más en Venezuela”.
    Según el correo electrónico de Stratfor titulado “Informe Especial: El Control de Venezuela sobre las Fuerzas Armadas”, la simbiótica relación entre Chávez y los Castro se manifestó claramente con la aprobación en el 2008 de la Ley Orgánica de la Fuerza Armada Nacional, la cual redefinió al sector castrense desde una organización apolítica no alineada, como estaba establecido en la Constitución de 1999, a un cuerpo “patriótico, popular y antiimperialista”, como quedó descrito en esa legislación.
    “Chávez, no queriendo ser sorprendido de nuevo por sus generales como sucedió en el golpe de estado de abril del 2002, apareció con esta ley Ley Orgánica de la Fuerza Armada Nacional para desarrollar a la Fuerza Armada Bolivariana, cuyo objetivo principal es proteger y defender al régimen”, señaló el informe.
    Por su parte, “el gobierno cubano, queriendo asegurar la dependencia venezolana sobre la seguridad cubana, jugó un papel en uno de los más controversiales artículos de la ley, que permite que ciudadanos extranjeros (léase cubanos) que se han graduado de las instituciones de defensa venezolanas puedan obtener rangos de oficiales dentro de las Fuerzas Armadas Venezolanas”, añadió.
    La ley también introdujo un mecanismo para facilitar purgas periódicas dentro de la Fuerza Armada Bolivariana mediante la expulsión de potenciales disidentes. Una cláusula de la ley obliga al retiro forzado de oficiales que han pasado dos años sin ser promovidos.
    Bajo ese sistema, las alianzas políticas frecuentemente se imponen sobre el mérito a la hora de recibir ascensos o de ser forzado al retiro. “Asesores cubanos, que han recibido la tarea de identificar y de localizar las amenazas dentro de las fuerzas armadas, ejercerían gran peso sobre estas decisiones”, señaló el informe.
    La integración de las fuerzas armadas venezolanas con la cubanas han causado malestar dentro de la institución castrense pero es un riesgo que Chávez se mostró dispuesto a correr.
    “Los generales problemáticos pueden ser forzados al retiro mientras que el restante puñado dentro de la élite militar puede ser observada de cerca por los cubanos y se les entregan las prebendas financieras que les mantienen atados al régimen”, señaló el informe.
    El mecanismo, no obstante, es ineficiente para tratar a los rangos medios, que podrían ser fuente de preocupación para Chávez.
    Algo que él sabe muy bien, detalló el informe.
    “Después de todo, Chávez era un teniente coronel con el carisma para captar a una significativa porción de los militares y de las clases bajas a su alrededor en el golpe de Estado de 1992. Mientras sea él el que esté sentado en el sillón presidencial, Chávez no desea ver a ningún teniente coronel de mediano rango siguiendo sus pasos”, resaltó el informe.
    Siga a Antonio María Delgado en Twitter: @DelgadoAntonioM

    Read more here: http://www.elnuevoherald.com/2012/04/02/v-fullstory/1168154/espias-cubanos-sostienen-a-chavez.html#storylink=cpy

  7. ESCRITORES E COVARDES – Janer Cristaldo

    1 de abril de 2012

    Assisti ontem, na Globo News, entrevista de Sérgio Faraco, concedida a Geneton Moraes Neto. Velho comunista não tem cura. Só matando. Mais de duas décadas após a dissolução da União Soviética, Faraco “ousa” denunciar o regime comunista. E relembra episódios que viveu em Moscou, em 1964. Precisou de quase meio século para abrir o bico. Em verdade, sua denúncia não é de agora. Data de 2002, quando publicou Lágrimas na chuva: uma aventura na URSS. Sua coragem é de dez anos atrás. Mas só treze anos após a queda do Muro.

    Já comentei, em 2004, a insólita coragem do escritor gaúcho. O livro relata período de pouco mais de ano vivido pelo autor em Moscou, entre 1963 e 64. “Depois de uma série de conflitos com chefetes políticos ligados aos partidos brasileiro e soviético” – diz-nos o editor na orelha – “Faraco foi internado em regime de reclusão, sob pesada bateria de medicamentos, numa clínica de reeducação. Era este, na época, um procedimento de rotina em relação àqueles que se rebelavam contra o ultra-esquerdismo do Partido”.

    Ora, quais foram os gestos de rebeldia do heróico mártir gaúcho? Pelo que lemos em sua memória, foram basicamente duas atitudes: mantinha relações com uma russinha e insistia em escutar Wagner a todo volume em seu dormitório. Fora isso, em uma viagem à Armênia, demonstrou insólita coragem ao perguntar a um mandalete local como podiam avançar na automação do que quer que fosse, se as moradias não dispunham de vasos sanitários e as necessidades eram feitas nos quintais, em latrinas. A tradutora nem sabia o que era latrina. Ou seja, os armênios não haviam chegado sequer ao conceito de latrina. Em função disto, o rebelde escritor foi enviado a uma clínica de reeducação, onde dispunha de quarto individual, com chuveiro e vaso sanitário (um progresso em relação à Armênia) e mais uma enfermeira que vinha pegar-lhe a mãozinha quando deprimido. Gulag classe A, com direito a cafuné. Pra dissidente algum botar defeito.

    Do alto desta omissão, quarenta anos nos contemplam. Há mais de quatro décadas, Faraco sentiu na carne o preço a ser pago, na União Soviética, por pequenas molecagens. Escritor, não lhe terá sido difícil imaginar o quanto custava qualquer discordância com a linha do Partido. Agora, já em idade provecta, a tardia madalena alegretense demonstra sua coragem denunciando fato ocorrido nos 60. Seu depoimento, se feito na época, seria de extraordinário valor para sua geração. Seria o relato insuspeito de um militante comunista que, em sua viagem iniciática ao paraíso soviético, fora tratado como doente mental apenas por escapadelas a uma disciplina absurda, típica de seminários católicos. Seria oportuníssimo, logo após 64.

    Erico Verissimo pergunta a Faraco se não pensava escrever sobre sua estada na União Soviética. “Respondi que, de fato, tinha essa intenção, embora minha experiência não fosse edificante. Ele ficou pensativo, depois disse que, se era assim, talvez fosse ainda menos edificante narrá-la, enquanto vivíamos, no Brasil, sob uma ditadura militar. Ele tinha razão” – diz Faraco. Ora, os militares lutavam para que o Brasil não virasse o imenso gulag que o futuro escritor então testemunhara. Em função de um regime que jamais o pôs na prisão, mesmo sendo comunista, Faraco silencia sobre o regime comunista que o internou em um hospital psiquiátrico, mesmo sendo comunista.

    Na entrevista de ontem, interrogado sobre porque ficou tanto tempo em silêncio, Faraco omite o fator Erico Verissimo. E alega que, na época, tinha de optar entre capitalismo e socialismo. Ora, Faraco nasceu em 1940. Ou seja, teve sete anos a mais do que eu para entender o mundo. Pertencemos à mesma geração. Eu também tinha de optar entre capitalismo e socialismo. Jamais optei pela tirania. Por mais restrições que tivesse ao capitalismo, nele não havia ditadura, opressão, gulags ou clínicas de reeducação para dissidentes.

    A história se repete. Em 1929, o escritor romeno Panaïti Istrati publicou Vers l’autre flamme, primeira denúncia do stalinismo no Ocidente. Os originais deste livro levaram Romain Rolland, seu padrinho literário em Paris, a aconselhá-lo: “Isto será uma paulada a toda Rússia. Estas páginas são sagradas, elas devem ser consagradas nos arquivos da Revolução Eterna, em seu Livro de Ouro. Nós lhe estimamos ainda mais e lhe veneramos por tê-las escrito. Mas não as publique jamais”. Istrati teve suas Obras Completas publicadas pela Gallimard, exceto Vers l’autre flamme. Que só foi republicado, na democrática Paris … em 1980. Volto aos anos 60, Brasil. Erico Verissimo, conivente com a barbárie comunista, repassa a Faraco o covarde conselho.

    Escritor, Faraco intuiu o que Erico há muito já intuíra. Se dissesse uma só palavrinha contra a Santa Madre Rússia, adeus editoras, adeus honras literárias, adeus imprensa amiga, adeus resenhas e teses universitárias. O gaúcho de Alegrete, que não teve sequer a hombridade de despedir-se da humilde moscovita que o aquecera nos seus dias cinzentos às margens do Volga, baixa a crista. Mas seu livro tem um grande mérito: nos revela a cumplicidade com a tirania do escritor gaúcho tido como campeão da liberdade. Não por acaso, a universidade e imprensa gaúchas idolatram Erico.

    A História é um lago que seca. Ao descerem, suas águas trazem à tona monstros insuspeitos. Todos os escritores gaúchos foram cúmplices da peste marxista, sem exceção. Dyonélio, por exemplo, após a evidência dos gulags, passou a escrever sobre a antiga Grécia. Tive um bom convívio com Dyonélio, paradoxalmente foi ele, materialista e marxista convicto, quem me introduziu nos estudos bíblicos. Mas quando eu queria levá-lo a falar sobre stalinismo, ele se retraía em sua concha: “Não vou dar argumentos para eles”. Ou seja, Dyonélio tinha conhecimento do que estava acontecendo. Aliás, quem não tinha?

    Foi o mesmo movimento espiritual de fuga de Faraco, que refugiou-se em Urartu, na Armênia. Josué Guimarães foi caixeiro-viajante a serviço de Pequim e Moscou. Até as pedras da Rua da Praia sabiam que estes senhores eram comunistas, mas ai de quem o dissesse em público. Seria execrado como delator e expulso do rol dos vivos.

    Covardes e omissos foram também todos os demais que, sem pertencerem ao Partido, silenciaram sobre os crimes do comunismo. Mário Quintana, por exemplo, refugiava-se em uma frase cômoda: “eu não entendo de problemas sociais”. Moacyr Scliar foi premiado pela ditadura de Fidel Castro. Ou seja, desde há muito se preparava para entrar na Academia Brasileira de Letras, aprazível reduto de viúvas do stalinismo. Já que estamos comentando o assunto: filho de Verissimo, Verissiminho é. Luis Fernando, o rebento, apóia toda ditadura, desde que de esquerda. Apenas dois gaúchos, em todos os cem anos do século passado, ousaram escrever contra a barbárie. Um foi o jornalista Orlando Loureiro, que publicou A Sombra do Kremlin. Procure nos sebos: editora Globo, 1954, dez anos antes da viagem do alegretense deslumbrado.

    O outro é este que vos escreve, que tem denunciado o marxismo desde os dias em que Faraco passeava pelas ruas da nova Jerusalém.

  8. Em frente ao Planalto, falsos chineses satirizam medidas do governo
    Contratados por central sindical, três protestantes carregam placa onde se lê: ‘Obrigado Brasil por gerar empregos no nosso País’

    BRASÍLIA – Três atores, vestidos como chineses, protestam neste momento em frente ao Palácio do Planalto, com uma placa onde se lê: “Obrigado Brasil por gerar empregos no nosso País”.

    As entidades representativas dos 12 MILHÕES DE FAVELADOS BRASILEIROS

  9. Em frente ao Planalto, falsos chineses satirizam medidas do governo
    Contratados por central sindical, três protestantes carregam placa onde se lê: ‘Obrigado Brasil por gerar empregos no nosso País’
    BRASÍLIA – Três atores, vestidos como chineses, protestam neste momento em frente ao Palácio do Planalto, com uma placa onde se lê: “Obrigado Brasil por gerar empregos no nosso País”.


    As entidades que representam os 12 MILHÕES DE FAVELADOS BRASILEIROS deviam protestar contra o desvio de verbas, via BNDS, para ajudar os países membros do FORO DE SÃO PAULO, enquanto são completamente esquecidas pelo governo corruPTo LULLA DILMA PETRALHA.

  10. EU E ELES (I) *

    “Tu estás contra toda tua geração”, disse-me há mais de década o Aníbal Damasceno Ferreira, este obscuro pesquisador a quem devemos a descoberta de Qorpo Santo. No que não deixava de ter razão. Mesmo assim, a frase me surpreendeu, afinal nunca tive vocação para original. Por geração entendia nossos contemporâneos que lêem, escrevem, discutem e lutam por suas idéias, e este é o conceito utilizado ao longo desta reflexão. Panta rei. Nada como uma década depois da outra para se passar a entender o que antes era ininteligível.

    Anos mais tarde, um outro amigo gaúcho me confessava desolado: “Minha geração fracassou”. Eu, perplexo. Tínhamos a mesma idade, tentamos salvar o mundo, logo nossa geração era a mesma. Não me sentia fracassado, muito antes pelo contrário. A visão de mundo que defendi, desde que me conheço por gente, triunfava no Ocidente. Nossa geração ganhou a parada, retruquei.

    Cada frase depende de sua circunstância. Mais ainda, de por quem é proferida. Este último diálogo ocorreu nos dias da queda do Muro de Berlim. Meu amigo havia militado no PC. Verdade que abrira os olhos bem antes da revolução do Nove de Novembro. Mas marxismo é como caxumba. Ou dá na idade certa, ou deixa seqüelas. Passei então a entender a afirmação do Damasceno. Não havia percebido que a minha, a nossa geração, era fundamentalmente marxista, mesmo sem ter lido Marx.

    Inclusive eu. Em meus dias de adolescente em Dom Pedrito, mesmo sem conhecer história ou geopolítica, stalinismo ou guerra fria, eu detestava Tito, Franco e Salazar. Não tinha a mínima idéia do que fosse Iugoslávia, Espanha ou Portugal, muito menos do que significasse Europa ou a finada União Soviética. Mas já sabia a quem insultar. Do alto de minhas tribunas na sedizente Capital da Paz, na arrogância dos quinze anos, sem conhecer nem mesmo Bagé, eu julgava e condenava a “sifilização” ocidental e cristã.

    Mais tarde estudei história, particularmente história da filosofia e história da arte. Há mais distância entre arte e filosofia do que nosso vão cientificismo presume. Posso hoje ler a Arte de Amar, de Ovídio, ou o Quixote, e estes livros permanecem sempre verdejantes, porque nascidos da emoção. As filosofias, frutos da razão, se destroem umas às outras, e dogmas existem apenas para gerar hereges. Quem estuda história sabe que verdade é algo relativo ao espaço e tempo em que foi enunciado. Desde adolescente venho refutando o fascismo eslavo travestido de pensamento científico.

    Um de meus primeiros artigos na imprensa da capital saiu no finado Correio do Povo, em 1968: “Marxismo Gaúcho Contemporâneo”. Era uma sátira aos filhinhos-de-papai oriundos em geral do colégio Júlio de Castilhos, de Porto Alegre, depois entrincheirados na Filosofia da UFRGS (então URGS), que discutiam a união estudantil-operário-camponesa nas boates da Independência. Filho de camponeses, nascido e criado no campo, sempre julguei ridículas abordagens teóricas sobre o homem do campo, feitas por meninos urbanos de mãos sem calos. Daí meu artigo e suas conseqüências. Fui ostracisado na universidade, com a pecha de reacionário.

    Mais ainda: fui encarcerado na calada da noite, por um delegado lotado em Dom Pedrito, que pouco entendia de humor e julgou que meu artigo era uma defesa do marxismo. Barbudo, em época em que barba era sinônimo de subversão, tive de ouvir: “você sabe que sua estética externa suscita antipatias?” Sabia. O delegado, candidato a rábula, gostava de aliterações. Era verão e estava pensando em raspar a juba, só não o fiz por ser imposição da “otoridade”.

    Em 1981, voltando de uma viagem à Romênia, fui convidado por um professor da PUC de Porto Alegre, para participar de um painel sobre o socialismo. Éramos três os expositores e meus dois colegas se debulharam em louvores sobre as virtudes do sistema e confrontos com o capitalismo podre ocidental. Quando chegou minha vez, fui contando em detalhes o que havia acabado de ver. Miséria por todo lado, pessoas famintas disputando quase a tapa um pedaço de carne, isso quando surgia carne nos mercados de gôndolas vazias e lúgubres, onde a mercadoria que mais dava o ar da graça eram longas filas de pás, enxadas, baldes e utensílios do gênero.

    Comestíveis, que é bom, nem pensar. Em hotéis de primeira categoria, faltavam lâmpadas e papel higiênico. Na portaria dos hotéis, cada vez que reclamava da falta de papel, a funcionária me perguntava quantos dias ficaria ali. Avaliava então minhas trocas metabólicas, puxava um rolo do balcão e me passava algumas tiras.

    Considerando-se que eu pagava em dólar, moeda que sempre foi bem-vinda no finado mundo socialista, pode-se imaginar as condições de higiene em que vivia o cidadão romeno comum, dispondo apenas de seus inúteis lei (plural de leu, a moeda local). Falei das lavouras onde cereais e batatas apodreciam no chão, em um total de 40% a 50% da colheita. Pois a ninguém interessa colher nada, se deste gesto não recebe lucro algum.

    Concluí com um exemplo que me parecia determinar, mais que qualquer complicada teoria econômica, a derrocada do socialismo. Estava em uma praia em Mangália, no Mar Negro, a sete quilômetros da fronteira com a Bulgária. Dois garçons abrem um bar à minha frente. Espalham as mesas na areia, dispõem toalhas, seguram-nas com pedrinhas. Cerveja, pensei. Santa ingenuidade. Não havia cerveja. Água mineral, então. Nada feito. Mas a sede nos faz perder a compostura. Pedi então um desses xaropes horrendos ianques, coca ou pepsi. Muito menos.

    Apostei mais alto. Naquela região há uma interessante cachaça de ameixa, a Haidouc. Por haidouc entende-se uma espécie de gaúcho eslavo, o homem mais ou menos nômade que habitou aquelas plagas, em época que as potências não haviam estabelecido fronteiras fixas. Pois nem a cachaça da região havia no bar. Vodca é o que não vai faltar, pensei. Faltava. Comecei a delirar: vinho, uísque. Nada. Nada para beber? Nada. Muito bem. Para comer o que é que tem? Nada. Mas como, isto não é um bar? É, mas o distribuidor não vem hoje. E por que vocês abriram o bar? Nós somos funcionários. Somos pagos para abrir o bar.

    Volto a Porto Alegre. Ali estava, singelamente, o fato que minaria o socialismo: uma sociedade não avança se a ninguém interessa vender algo a alguém. Surgisse ali na praia um moleque com um balaio vendendo cerveja e pastéis, iria preso como inimigo do socialismo, sabotador da sociedade ideal. É utopia desvairada, afirmei, alguém pretender que o homem trabalhe sem pensar em lucro. Meu anfitrião agradeceu-me, encerrou os debates e mais ou menos desculpou-se ante a platéia, que eu fora convidado para discutir a teoria socialista, e não a prática. Pena que na prática a teoria é diferente, protestei.

    Pouco dias antes do fuzilamento dos Ceaucescu, diga-se de passagem, era proibido entre a elite bem-pensante de Porto Alegre contestar o regime romeno. Um deputado gaúcho teve inclusive de andar recolhendo às pressas um seu livreco de viagem, onde saudava Nicolae Ceaucescu como a Águia dos Bálcãs.

    Andei mais tarde por Berlim Oriental e contei o que vi em minha coluna na extinta Folha da Manhã. Manifestei minha perplexidade ante o muro, de sinistra memória. Tentei traduzir ao leitor o ar fedorento que se respirava, mal se saía da outra Alemanha.

    O medo estampado nos rostos, olhares sem esperança alguma, por toda parte cinzento e desolação. Soube que uma alta instância do PC gaúcho queixou-se na Rua da Praia, de que era um absurdo a Caldas Júnior estar publicando aquilo tudo, particularmente por uma razão: eu estava observando os fatos in loco, e portanto falava com autoridade.

    Até hoje meus amigos preferem não declinar-me o nome deste senhor. Não duvido tenha sido o especialista por excelência em Assuntos para a (ex) Alemanha Oriental nas Letras Jurídicas Gaúchas, o Dr. Antonio Pinheiro Machado Netto, ilustre membro da Ordem dos Advogados do Brasil, como adora definir-se.

    Pois este senhor, em 1985, ousou publicar pela L&PM, uma plaquete intitulada O Muro de Berlim: muro da vergonha ou da paz?, onde assegura que só existe uma possibilidade de união entre as duas Alemanhas: ela ocorrerá, diz o arguto analista, quando a Alemanha Ocidental for também socialista. E o homem anda solto por aí, posando de defensor dos direitos humanos.

    Dizer que a minha ou a nossa geração era marxista, fale-se de Rio Grande do Sul ou Brasil, América Latina ou Europa, é pecar por omissão. O século todo foi marxista. Morto o deus cristão, os órfãos europeus criaram um deus laico, Stalin. Os mais ativos escritores, desde um Gorki ou Maiakovski, a um Brecht ou Sartre, se tornaram arautos ou cúmplices da nova religião. Pois o marxismo foi religião. A fé dos crentes o confirma: sempre definiram como paraíso o que desde 1917 foi um inferno. Torna-se então compreensível a lamúria de meu desolado amigo. Ele confundia geração com marxismo. Com a derrocada da União Soviética, deduziu que sua geração havia fracassado. Quando na verdade o que afundou foi a mais longa e cruel tirania exercida sobre dezenas de nações durante décadas deste século.

    Se europeus cultos e viajados, como um Sartre ou Kazantzakis, irmãos Webb ou Aragon, se deixaram embalar pela miragem soviética, a ninguém surpreende que os intelectuais de Pindorama – sempre duas ou três décadas a reboque dos modismos europeus – tenham enveredado por esta trilha de muares. Primo inter pares, Jorge Amado, que após editar páginas do jornal nazista Meio-Dia, intuindo que este tipo de fascismo não tinha futuro sequer a curto prazo, jogou suas moedas no stalinismo. A aposta foi oportuníssima: defendendo a tirania urbe et orbi, Amado tornou-se bilionário com seus panfletos em louvor do fascismo eslavo e julga-se um campeão na luta pela libertação dos povos. O baiano caiu na vida através de Raquel de Queiroz, que até hoje usufrui dos juros de sua militância.

    Raros foram os escritores no Brasil – e mesmo na América Latina, isso se não quisermos mencionar o século – a intuir o caráter totalitário e opressivo da nova religião. No Brasil, por exemplo, o primeiro a fazer esta denúncia foi Pagu, a Patrícia Galvão, musa da suposta revolução literária que a USP batizou como modernismo brasileiro. Pagu viveu mais tempo em Moscou que os turistas desejosos de crer na nova fé e, ao voltar, contou o que viu. Pagou o preço de sua audácia. Na prisão, sofreu mais com a tortura mental de seus companheiros de cela que com a polícia do Estado Novo. Deixemos de lado um Gustavo Corção: embora fossem procedentes suas denúncias, lutava em nome de outro totalitarismo, o católico.

    Em 1962, Osvaldo Peralva, ex-apparatchik do Kominform em Bucareste, lança O Retrato. Peralva conhecia por dentro a máquina de mentiras do PCUS e a revelou tal como era. Ninguém acreditou. Mais recentemente, dois escritores não pouparam o malho nos comunistas. Na área do ensaísmo, Leo Gilson Ribeiro, anatematizado pela intelligentsia nacional. No jornalismo quotidiano, o genial Nelson Rodrigues. Graças a seu teatro, Nelson conseguia manter-se à tona no mundo das comunicações. Como desmontava a hipocrisia da então chamada classe burguesa, louvado era. Suas crônicas, o melhor do Nelson, sempre foram vistas como seu lado doentio.

    No Rio Grande do Sul, desconheço ensaísta que tenha estudado a fundo a influência marxista na cultura gaúcha. No entanto, ela foi forte. Ao lado de um escritor de porte como Dyonélio Machado, temos expressões menores como Lila Ripoll, Laci Osório, Ivan Pedro de Martins, Edith Hervé, Isaac Axelrud, Otto Alcides Ohlweiler, Juvenal Jacinto de Souza, Josué Guimarães. Mais para nossos dias, aí estão Voltaire Schilling, Marco Aurélio Garcia, Luís Pilla Vares, Tarso Genro et caterva. (Com a mania que têm os stalinistas de erguer monumentos a si próprios, já devem estar planejando futuros bustos, ruas ou fundações com seus nomes).

    Verdade que João Batista Marçal, em Os Comunistas Gaúchos, tentou apanhar o touro pelas guampas. Deu-se mal. Jornalista interiorano, deslumbrado com a ideologia vigente na capital, tentou erguer pedestais a quem só fez por merecer a famosa lata de lixo da História.

    * Depoimento publicado na coletânea “Nós, os Gaúchos”, Ed. Universidade/UFRGS, Porto Alegre, 1992

    – Enviado por Janer @ 10:15 AM

  11. Governo vai afrouxar regras para aprovar médicos formados em países do exterior

    Entre as medidas está dispensar graduados de fazer o exame para revalidar diploma

    BRASÍLIA – O governo vai afrouxar as regras para que médicos formados no exterior trabalhem no Brasil. A ideia é flexibilizar a exigência ou até dispensar estrangeiros e brasileiros graduados em faculdades como as da Bolívia, por exemplo, de fazer o exame para revalidação do diploma (Revalida), tido hoje como a principal barreira para a entrada de profissionais de baixa qualidade no mercado brasileiro.
    _______________________________________________________
    Comento: Se o meu plano de saúde contratar um auxiliar de enfermagem(eles não passam disso) cubano ou boliviano, vou me recusar ser atendido.

  12. Confira uma biografia dos 10 mais cruéis matadores da história

    Texto Roberto Navarro

    Em números absolutos, o maior matador foi o ditador chinês Mao Tsé-tung, que mandou nada menos que 77 milhões de compatriotas para o além.

    Em percentual relativo, o líder mais sanguinário foi o general Pol Pot, que assassinou “apenas” 2 milhões de pessoas – um terço da população do Camboja, país em que ele foi primeiro-ministro entre 1976 e 1979.

    A relação tem como critério básico o total de mortes causadas pela ação ou omissão de líderes com poderes ditatoriais. Isso inclui desde fuzilamentos no paredão até grandes fomes causadas por uma guerra civil, por exemplo.

    Os números foram coletados pelo cientista político e historiador americano Rudolph J. Rummel, que escreveu quase duas dúzias de livros com informações sobre casos de “democídio” – o nome que Rummel dá ao assassinato de uma pessoa por um governo. Foram muitos, sobretudo nos últimos 100 anos. “Se enfileirarmos os cadáveres das vítimas de democídio no século 20, eles dariam 6 voltas em torno da Terra”, diz o historiador.

    São eles:
    1. Mao Tsé-tung: 77.000.000
    2. Joseph Stalin: 43.000.000
    3. Adolf Hitler: 21.000.000
    4. Kublai Khan: 19.000.000
    5. Imperatriz Cixi: 12.000.000
    6. Leopoldo II: 10.000.000
    7. Chiang Kai-shek: 10.000.000
    8. Genghis Khan: 4.000.000
    9. Hideki Tojo: 4.000.000
    10. Pol Pot: 2.000.000
    http://www.domluizbergonzini.com.br/2011/08/ditadores-comunistas-e-nazistas.html

  13. Demóstenes e Ideli Salvatti

    Demóstenes foi pego ao fazer lobby com um contraventor. O tal contraventor pega dinheiro de otários, dinheiro privado.
    Ideli Salvatti foi denunciada por um crime, por um próprio partidário, ex-ministro da pesca. Levou dinheiro para o partido em uma licitação suspeita, utilizando a infra-estrutura do ministério da Pesca. Dinheiro público.
    Demóstenes está sendo execrado pela imprensa, partido e opinião pública.
    Ideli, defendida pelo partido, ignorada pela imprensa e opinião pública.

  14. “Se llevaron a mi mamá, mi papá, y a todos los que estaban en la casa”, declaró la hija de José Daniel Ferrer

    Martha Beatriz Ferrer Cantillo, de 14 años de edad, relató a CUBAENCUENTRO que aún no sabe el paradero de sus padres, detenidos por la policía tras allanar su vivienda

    Redacción CE, Madrid | 03/04/2012 6:08 pm

    Actualmente 5 de 5 Estrellas.
    1
    2
    3
    4
    5

    3 votos
    5

    4 comentarios y 6 reacciones AumentarDisminuir Tamaño del texto Enviar Imprimir

    La hija del ex preso político José Daniel Ferrer y de la dama de blanco Belkis Cantillo dijo este martes que todavía no sabe el paradero de sus padres, arrestados ayer por la policía tras allanar su vivienda, en el poblado de Palmarito de Cauto, en la provincia de Santiago de Cuba.

    “El registro en la casa duró desde las tres de la tarde a las nueve y media de la noche”, declaró a CUBAENCUENTRO Martha Beatriz Ferrer Cantillo, de 14 años de edad, y que estuvo presente durante el registro policial.

    La joven dijo que a sus padres se los llevaron sin zapatos y con la ropa que tenían puesta en ese momento. También fueron detenidos una tía y otros opositores que se encontraban en la vivienda, apuntó.

    Martha Beatriz se enteró de lo ocurrido cuando regresó de la escuela. “Vi patrullas y carros en frente de la casa, y pensé que había pasado un accidente, pero cuando vi a los de la Seguridad, me imaginé lo que estaba sucediendo”, afirmó. La joven explicó que uno de los opositores detenidos le gritó desde una patrulla que sus padres habían sido arrestados.

    “Empecé a darle golpes a la patrulla. A decir que quería ver a mi mamá y saber por qué se los llevaban. Una oficial me empujó, y me arrastraron hasta la carretera. Me amenazaron y me dijeron que yo era menor de edad, pero que así mismo me podía pasar cualquier cosa”, relató Martha Beatriz.

    La hija de los opositores comentó que la policía no la dejaba entrar a la vivienda, y cuando logró pasar vio que estaban haciendo un registro policial.

    “Cuando entré a la casa, mi abuela, que tiene 63 años, estaba dando gritos, y la habían empujado. Estaban en el cuarto de mi papá, cogiendo todo. Me dijeron que era una orden de registro, pero mi abuela me dijo que ellos no habían llevado ningún papel. Me contaron que a mi mamá le dieron golpes”, expresó la joven.

    Martha Beatriz dijo que la puerta del frente de la vivienda tenía el llavín roto, porque “parece que le dieron patadas para que abriera”.

    Por su parte, la dama de blanco Tania Montoya Vázquez declaró a CUBAENCUENTRO que la policía se llevó de casa de José Daniel “hasta un cuadro de Laura Pollán”, además de “libros y otros medios logísticos” del opositor.

    “Fueron brutalmente golpeados, arrastrados y conducidos a las carros patrullas que tenían afuera de la vivienda. Es una cobardía lo que han hecho aquí contra los opositores, que alzamos las voces por la libertad y la democratización de Cuba”, dijo la activista.

    “Fuimos víctimas de las turbas paramilitares”

    También el lunes efectivos de la policía asaltaron la vivienda del activista Raumel Vinajera, en el reparto La Concepción, en la localidad de Palma Soriano, y detuvieron a 23 personas, cuyo paradero aún se desconoce, según han denunciado fuentes de la oposición.

    “Allí nos encontrábamos 24 opositores en una protesta cívica, reclamando por las detenciones arbitrarias y la represión que hay en el oriente del país contra las damas de blanco”, declaró Tania Montoya.

    La dama de blanco explicó que también se manifestaban por la liberación del opositor Rogelio Tavío López, que se encuentra plantado en la unidad de operaciones de Guantánamo y lleva más de 30 días en huelga de hambre.

    “Fuimos víctimas de las turbas paramilitares uniformadas que se encontraban en el reparto La Concepción. La vivienda de Vinajera fue allanada por estos miembros de la policía nacional, la policía política y brigadas de respuesta rápida”, relató.

    La dama de blanco comentó que la vivienda “fue completamente destrozada, acabaron con todo” lo que había allí, declaró. “Le dieron golpes a todos los que estaban allí. A la mamá de Raumel, una señora de 65 años, la empujaron, se cayó, y no les importó eso”, añadió.

    “Uno de los policías sacó un arma para disparar al hermano de Raumel, que salió en su defensa. La mamá estaba dando gritos”, indicó Tania.

  15. MENTIRAS PARA SEREM DIVULGADAS

    O QUE FALAM HOJE ALGUNS EX-COMUNISTAS, como Gabeira, Heitor de Paola, Daniel Aarão Reis, Mirian Macedo, Jacob Gorender

    31 DE MARÇO DE 1964 E O DIA da DEMOCRACIA BRASILEIRA.

    O povo brasileiro levantou-se e junto com as Forças Armadas derrotaram os comunistas que queriam implantar uma DITADURA DO PROLETARIADO NO PAÍS.
    Quem afirma e confirma a VERDADE ACIMA são ex-comunistas.

    – GABEIRA
    Nós queríamos implantar o comunismo no Brasil – a DITADURA do proletariado. Por isso, teriamos de se rever tantas indenizações. Muitas delas ilegais e delituosas! A do Pres.Lula, é uma delas, pois, ele NUNCA FOI PERSEGUIDO POLÍTICO E NUNCA FOI EXILADO POLÍTICO!!!! Ficou apenas, 29 dias nas dependências do DOI/CODI-SP, nunca foi torturado e teve até regalias. Era constantemente acompanhado pelo falecido Romeu Tuma – Dops! (depoimentos dele mesmo no blog “LULA AO AVESSO”)

    – HEITOR DE PAOLA
    Pois eu vivi intensamente aqueles anos, em 64 eu já estava no segundo ano da Faculdade, era Vice-Presidente do Centro Acadêmico e, obviamente, como qualquer babaca daquela época, de esquerda, da AP (a mesma do Serra). Estive foragido alguns dias e dois meses preso. Perdi um ano de estudos. E me desencantei. Com as esquerdas, não com os militares. Em 68, inicio do ano, foi oficialmente lançada a “luta armada”. Eu participei das reuniões com gente vinda de Cuba, não é mentira não, eles estavam aqui fornecendo dinheiro e armas tchecas para tornar o Brasil uma outra Cuba a serviço de Moscou, como a original. Não era nada de democratas em luta contra uma ditadura como hoje dizem: eram comunistas querendo instalar uma verdadeira ditadura totalitária!
    Quer saber mais vá até:www.heitordepaola.com.br.

    – DANIEL AARÃO REIS (ATIVO MILITANTE DO MR-8)
    DECLAROU EM ENTREVISTA AO JORNAL O GLOBO DE 23/09/2001 QUE: “AO LONGO DO PROCESSO DE RADICALIZAÇÃO INICIADO EM 1961, O PROJETO DAS ORGANIZAÇÕES DE ESQUERDA QUE DEFENDIAM A LUTA ARMADA ERA REVOLUCIONÁRIO, OFENSIVO E DITATORIAL. PRETENDIA-SE IMPLANTAR UMA DITADURA REVOLUCIONÁRIA.” 1964 COMBATEU A DESORDEM QUE QUERIAM IMPLARTAR NO BRASIL COMO AFIRMA MUITO BEM O PROFESSOR DANIEL AARÃO REIS. POR ISSO DEVEMOS AOS MILITARES.

    – MIRIAN MACEDO
    Já relatei o que eu fazia como militante*. Quase nada. A minha verdadeira ação revolucionária foi outra, esta sim, competente, profícua, sistemática: MENTI DESCARADAMENTE DURANTE QUASE 40 ANOS!* (O primeiro texto fala em 30 anos. Eu fui fazer as contas, são quase 40 anos, desde que comecei a mentir sobre os ‘maus tratos’. Façam as contas, fui presa em 20 de junho de 73. Em 2013, terão se passado 40 anos.) REPETI E ESCREVI A MENTIRA de que eu tinha tomado choques elétricos (por pudor, limitei-me a dizer que foram poucos, é verdade), que me deram socos e empurrões, interrogaram-me com luzes fortes, que me ameaçaram de estupro quando voltava à noite dos interrogatórios no DOI-CODI para o PIC e que eu passava noites ouvindo “gritos assombrosos” de outros presos sendo torturados (aconteceu uma única vez, por pouquíssimos segundos: ouvi gritos e alguém me disse que era minha irmã sendo torturada. Os gritos cessaram – achei, depois, que fosse gravação – e minha irmã, que também tinha sido presa, não teve um único fio de cabelo tocado). Quem quiser saber mais alguma coisa vá até http://www.mirianmacedo.com.br.

    – JACOB GORENDER
    A esquerda brasileira de inspiração marxista pegou duas vezes em armas. Em 1935 e em 1968-1974….. A HISTÓRIA DOS JUSTIÇAMENTOS revolucionária no Brasil teve início nos anos trinta (caso Elza Fernandes) e nos 70. Em 35 assassinaram a amante de um colega preso e na luta de 1970 mataram os seguintes correligionários acusados e julgados por eles mesmo: Ary Rocha Miranda – Antônio Lourenço – Márcio Toledo Leite – Amaro Luiz de Carvalho – Carlos Alberto Cardoso – Jacques Moreira Alvarenga – Salatiel Teixeira Rolim – João Pereira – Osmar – Pedro Ferreira da Silva – Rosalindo de Souza e o assassinado bárbaro do marinheiro inglês David A. Cuthberg.

    A COMISSÃO DA VERDADE VAI APURAR ESTES CRIMES?
    COLOCAR NA CADEIA OS CRIMINOSOS?

    Só mesmo os muito bobocas acreditam nas histórias da carochinha
    contadas pelos baderneiros da época.

  16. “Não se pode fazer uma revolução para implantar a democracia. Deve haver democracia para se poder fazer uma revolução”

    G.K. Chesterton

  17. INDICAÇÃO DE LEITURA.
    Viagem ao crepúsculo
    do jornalista pernambucano Samarone Lima – Editora Casa das Musas, 232 páginas

    Cuba: o crepúsculo da revolução
    Roberto Gomes-

    Não devo ser exceção. Quando vejo governantes, em especial burocratas da área econômica, citando estatísticas, louvando suas realizações, me pergunto: de que país estão falando? Nos relatos oficiais, os números são otimistas. Crescimento, reformas, realizações. Sendo distraído, olho pela janela e levo um choque. Habito dois países: um tem cheiro de propaganda, outro está a minha frente. Um deles é construído pelas estatísticas oficiais, outro é o mundo real, que teima em existir, com seus defeitos e encrencas, com suas inviabilidades.

    O livro Viagem ao crepúsculo, do jornalista pernambucano Samarone Lima – Editora Casa das Musas, 232 páginas – me fez reviver essa agonia, ainda que o livro fale de Cuba e não do Brasil. Ocorre que Samarone foi à Ilha com o propósito de conhecer o país real que lá se encontra, desprezando os grandes discursos, seja dos governantes, seja dos intelectuais encantados com o charme da revolução cubana.

    “O brasileiro – diz Samarone – sabe muito pouco ou quase nada sobre a Ilha, Transitamos entre os textos idealizados de Frei Beto e o lugar comum da mídia.” Entre as idealizações romântico-teológicas e as críticas não raro desonestas, Samarone escolhe mergulhar na sociedade cubana, tornando-se um turista inusitado: não quer comprar nada, nem conhecer monumentos ou andar em ônibus refrigerados, nem ler discursos oficiais. Mochileiro convicto, caminha por Cuba obstinadamente em busca de seres humanos e de depoimentos sinceros e espontâneos.

    Seu livro é um delicioso relato de viagem. Vivendo como clandestino, opta pela Cuba real. Mostra-se um excelente ouvinte. Ouve e registra. Não contesta, não orienta, não polemiza. Quer saber como vivem os cubanos e se hospeda em suas casas. Comete a primeira infração: os cubanos são proibidos de hospedar estrangeiros. No entanto, como ocorre com outras proibições, eles burlam as regras. Precisam juntar seus trocados e assumem os riscos.

    A primeira lição: existem duas moedas. Pesos cubanos e convertibles. Como não sabia disso, Samarone paga 24 vezes mais caro por um livro popular impresso em papel jornal. A moça da livraria, na moita, embolsa a diferença. Seria a segunda lição: o turista deve ser explorado. E não se trata de chauvinismo ou maldade: é a luta, como dizem os cubanos.

    O pão é um mesmo pão, dois para cada cubano. É preciso comparecer com a libreta, mas, com uma gorjeta, se consegue uma quantidade maior de pães. O leite é raridade. Arroz, idem. O que alimenta um dinâmico mercado negro. Celeste, uma senhora cubana que sozinha renderia um romance, atende o telefone, resmunga algo e diz: preciso sair. Quando volta, tráz açúcar, arroz, carne de galinha. A vizinhança forma fila em sua porta. Samarone não sabe como funciona o es­­quema, mas descobre que esses ali­­mentos foram originalmente destinados a hospitais, refeitórios, colégios.

    Os médicos cubanos – salário mensal: 40 dólares – espalham-se pela Venezuela, África, América Central. São os médicos “internacionalistas”. Os estudantes ficam nos hospitais. Uma jovem com quem Samarone conversou tem vontade de dar uma surra em Michael Moore, que fez um filme criticando a medicina norte-americana e endeusando a cubana. Ela gostaria de vê-lo como morador da Ilha.

    Sendo pouco o espaço de que disponho, devo ser direto: leiam esse livro. Que não é mero registro frio – ainda que ouvir e registrar seja sua grande arte. É também um depoimento comovente a respeito das grandes esperanças destruídas ao longo dos 50 anos de revolução que Cuba comemora. E não há desculpas: não são limitações da Ilha e de seu povo, nem cabe culpar o “bloqueio econômico” imposto criminosamente pelos EUA. Trata-se de uma visão arcaica da sociedade, da economia, das relações entre as pessoas, da democracia, do vetusto cultivo de homens-providenciais, os heróis que salvam um povo – no caso, os irmãos Castro.

    O livro se lê com prazer e alegria – aquela que a descoberta do real nos proporciona – mas ao final nos resta um travo triste na alma. Só a figura de Celeste nos impede o desânimo completo.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s