Meu pedacinho

cangrejo

Cinco décadas de “nós”, de lavagem cerebral para um comportamento de inércia ou de pelotão e todavia, esta manhã – no parque – um jovem afirmava: “O que eu quero é ter meu pedacinho”. Disse-o como quem confessa o pecado de cobiçar algo distante, de satisfazer um desejo maldito pelo qual poderia receber o escárnio público. Enquanto falava de suas “ambições”, gesticulava com as mãos atraindo para si fantasias invisíveis que também nominava: “um teto”, “um salário decente”, “permissão para viajar”.

A coletivização não apagou em nós esse anelo humano de ter algo próprio e o igualitarismo forçado só incentivou as ânsias de nos diferenciarmos.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s