Uma juventude muito velha

valla_piernas

O encontro mais importante da União de Jovens Comunistas terminou em Havana, porém seu parente mais velho, o Partido, ainda não anunciou a data em que celebrará seu sexto congresso. Raúl Castro afirmou em princípios de 2009 que convocaría – na maior brevidade – uma conferência nacional do PCC, porém nestas alturas ninguém pode situá-la no almanaque. A UJC foi então reunir-se no Palácio das Convenções e discutir temas que haveriam dado origem a polêmicas frutíferas se houvessem contado com um marco de verdadeiro respeito.

Sob o lema de “Tudo pela Revolução”, centenas de rostos juvenis observaram a mesa presidencial repleta de funcionários que já completaram mais de seis décadas de vida. A velha geração não esteve alí para dizer aos mais novos “o país também é de vocês, agora lhes compete decidir o rumo”, senão que exortou-os ao sacrifício, os admoestou pela pouca combatividade e quis tirar deles pactos de continuidade e eterna fidelidade. É o tipo de ações que um partido político desenvolve em relação aos seus talentos, porém no caso cubano trata-se da única organização juvenil permitida por lei. Chama a atenção que nessa idade em que adotamos as posturas as mais variadas e defendemos as bandeiras mais incríveis, aos nossos jovens só seja admitida a militância sob a carteira vemelha. Muitos deles, em circuntâncias mais livres, engrossariam as fileiras de um grupo ecológico, somar-se-iam a um piquete de ativistas sindicais ou se filiariam para exigir o fim do Serviço Militar obrigatório.

Quem hoje faz parte da UJC nasceu já começado o Período Especial, não conseguiram brinquedos nas lojas de produtos racionados e só tomaram leite – legalmente – até os sete anos. Cresceram graças ao mercado negro e calçaram sapatos porque seus pais desviaram recursos do estado ou pediram ajuda à um parente exilado para comprá-los. Trata-se de uma geração crescida em meio do apartheid turístico que impedia aos cubanos a entrada em hotéis ou a terem acesso a certos serviços; filhos amamentados nas escolas com palavras de ordem vazias e palavras de tédio nos lares. Apesar do seu compromisso com a lealdade, suspeito que acariciam a desforra, nesse momento em que quebraram todas as promessas feitas aos mais velhos.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s