Ortega y Gasset conhece Cachita

Desde  sexta-feira que estamos em Santiago de Cuba. Minha mãe me encomendou pedras do Santuário del Cobre e minha irmã, como no estribilho de uma canção tradicional, espera que lhe leve “uma virgenzinha da Caridad”. Sem embargo, viemos para algo mais: expandir o vírus chamado “itinerário blogueiro” à esta província – com menos acesso à Internet que Havana – porém com a mesma necessidade de expressar opiniões.

A viagem resultou numa mistura de impressões, que necessitaría de vários posts para ser contada. Vim com a idéia de encontrar um povo dançarino e extrovertido, porém vou-me sem haver visto um sorriso. A praça onde Raúl Castro falou de continuidade – faz apenas um mes – hoje está cheia de pessoas a caça de turistas e de mendigos que me pedem algum dinheiro para comer. Caminhei não só por ruas cheias  de comércios em pesos conversíveis, senão pelos íngremes caminhos com casas a ponto de cair. “Poupem água, que só podemos encher a cisterna a cada duas semanas”, foi a frase de boas vindas que nos deu uma amável família, onde dormimos quatro noites.

Hoje, domingo de manhã, tivemos o encontro mais interessante. Jovens cheios de inconformismo, de desejos de fazer e vontade de mudar as coisas, nos receberam para ouvir falar da blogosfera cubana. Em princípio tímidos, porém – depois de alguns minutos – com muitas perguntas sobre essa ferramenta tão plural que é um blog. Já veremos se somar-se-ão ao projeto de Vozes Cubanas.

Estive no santuário da Virgem de la Caridad del Cobre, ilha dentro da ilha. Onde convivem, numa mesma vitrina, as oferendas pela libertação dos presos políticos e as insígnias do Exército Rebelde. Alí deixei meu prêmio Ortega y Gasset de jornalismo, o melhor lugar  onde poderia estar. Por sorte, a longa mão dos censores não pode entrar em seu templo. Ao redor de Cachita se extende, até agora, um dos poucos redutos de pluralidade que se  pode ver neste verde caimán.

Nota do tradutor:

1) El Cobre, uma mina de cobre perto de Santiago de Cuba, é o local do Santuário do Cobre dedicado à santa padroeira de Cuba, Virgem da Caridade, apelidada “Cachita”. A igreja hospeda uma pequena estátua  da Virgem Maria que foi encontrada flutuando no mar da costa cubana por volta de 1600. Visitantes do santuário de  Cachita deixam presentes, que vão de medalhas olímpicas à objetos do dia a dia. Estes presentes não são censurados ou removidos pelo Estado. Os visitantes tambem recolhem pedras de cobre das minas. Os leitores que desejarem saber mais podem encontrar muita informação na rede.

2) Voces Cubanas é o novo nome dos blogueiros na Ilha.

Anúncios