O primeiro sol de 2009


Os homens se sucedem, as ideologias vem abaixo, os líderes agonizam e os discursos encurtam, debaixo do repetitivo ciclo de um sol que se põe e volta a nascer. Quando vejo o Índio* surgir de repente em frente a minha varanda, comprovo que pequenez é a nossa, que risíveis pretensões de transcendência as de alguns.

Aqui deixo o primeiro sol de dois mil e nove, o dourado círculo de luz que sobreviverá a nós todos. Desejo-lhes um feliz ano e que os raios deste amanhecer aqueçam a todos.

Nota do tradutor
Os cubanos chamam o sol de “Índio”.

Anúncios