O catecismo segundo Mujica

sssocialismo o muerte

A linguagem diplomática mesmo que distante e calculada deixa entrever as mudanças da época. Lembro-me que durante anos poder-se-ia predizer cada palavra que os presidentes estrangeiros diriam uma vez chegados em Cuba. No roteiro dos seus discursos não poderia faltar a frase: “a inquebrantável amizade entre nossos povos…” Tampouco ficava ausente um compromisso de sintonia total entre os projetos políticos do mandatário visitante e sua contraparte da Ilha. O caminho era uno, os companheiros de rota não podiam se desviar um milímetro dele e isto ficava claro em suas declarações. Eram tempos de parecer um todo compacto, sem matizes e sem diferenças.

Contudo, desde há alguns anos as expressões dos que chegam oficialmente convidados, se transformaram. Escuta-se dizer que “mesmo que haja pontos que nos separem, o melhor é encontrar aqueles que nos unem”. As novas expressões incluem, além disso, o esclarecimento de que “representamos uma diversidade” e que “confluímos no trabalho conjunto, mantendo nossa pluralidade”. Evidentemente as relações bilaterais neste século XXI já não são concebidas acompanhadas de um discurso monocrático e unânime. Exibir a variedade entrou na moda, mesmo que na prática se faça uma estratégia de exclusão e negação da diversidade.

José Mujica agregou um novo tom à fala dos presidentes recebidos no Palácio da Revolução. Enfatizou que “antes tínhamos que rezar o mesmo catecismo para nos juntar e agora, apesar das diferenças, conseguimos nos unir”. Nós, espectadores incrédulos da televisão nacional nos perguntamos imediatamente se a doutrina a que se refere o dignitário uruguaio será o marxismo ou o comunismo. Segundo agora se evidencia dois presidentes podem apertar as mãos, cooperar, sair juntos e sorridentes numa foto, ainda que tendo ideologias diferentes ou parecidas. Uma lição de maturidade, sem dúvida. O problema – o grave problema – é que as palavras são ditas e publicadas numa nação onde os cidadãos não podem ter outro “catecismo” que não seja o do partido no poder. Um país em que, de modo sistemático, divide-se a população entre “revolucionários” e “apátridas”, a partir de enunciados puramente ideológicos. Uma Ilha cujos governantes incitam os ódios políticos entre as pessoas sem assumirem a responsabilidade por essas sementes de intolerância que semeiam, regam e apóiam conscientemente.

A diplomacia cubana é assim. Aceita escutar de um visitante estrangeiro o que jamais permitiria ser dito pelo nascido nesta terra.

Tradução e administração do blog em língua portuguesa por Humberto Sisley de Souza Neto

About these ads

2 pensamentos em “O catecismo segundo Mujica

  1. Falo do Brasil, onde o governo está “importando” médicos cubanos para atuarem no interior do Brasil. Estes médicos irão atender a populações carentes, onde não há nenhum recurso de saúde além da caneta do médico e seu estetoscópio. Os médicos brasileiros se recusam a irem a estes lugares porque entenderem que a população precisa mais do que apenas médicos, precisam de remédios, exames, equipamentos hospitalares, enfim o básico para tratar as pessoas. Por aqui é grande a rejeição aos médicos cubanos, sabemos que seus salários (R$ 10.000,00 + ajuda moradia e alimentação) irão para o governo cubano, portanto não é justo com os próprio médicos cubanos… Gostaria de saber se vocês aí em Cuba sabem deste acordo com o governo Brasileiro, para explorar mão de obra médica Cubana? Obrigada, Maria Alice.

Deixar uma resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s