Cuba Libre preso em Havana

confiscacion

Justamente ontem, na véspera da apresentação no Chile de uma compilação dos meus textos com o título Cuba Libre, chegou uma informação da Aduana General da República. Nela me confirmavam o confisco de dez exemplares do meu livro enviados através da DHL. Nas bolorentas e curtas palavras da burocracia, explicavam-me:

Ao realizar a inspeção física do envio, foi descorberta informação cujo conteúdo atenta contra os interêsses gerais da nação, pelo qual se procede o confisco conforme o estabelecido na legislação vigente.

Tento reproduzir a cena dos “especialistas” elucidando se permitiriam ou não que o livro atravessasse as fronteiras desta Ilha e chegasse até minhas mãos. Procurariam em suas páginas alguma imagem obscena que pudesse ofender a moral? De certo não encontrariam entre as fotos de muros cheios de palavras de ordem políticas, as desmanteladas entranhas de um automóvel abandonado e as bandeiras cubanas exibidas num mercado onde a moeda nacional não vale nada. Esta última pode parecer obscena, porém não é por minha culpa.

Seriam zelosos doutores da gramática esses que manusearam as frases de Cuba Libre buscando talvez uma errata ou um tempo verbal mal usado? Tratava-se por acaso de analistas militares pesquisando entre os parágrafos das minhas crônicas por códigos ocultos, revelações sobre a economia ou documentos secretos da Segurança do Estado? Nada disso encontraram, nem sequer a receita de como fazer guarapa, essa bebida nacional quase extinta que se consegue expremendo a cana de açucar.

Fico conformada em fantasiar que os que impediram a versão espanhola dos meus textos chegar até centenas de amigos entre os quais circularia, eram uns uniformizados com mais disciplina do que leituras. Provavelmente já estavam avisados pelas escutas que constantemente monitoram meu telefone; podem ter sido advertidos, inclusive, que não lessem o conteúdo. Se tres anos publicando no ciberespaço houvessem somente servido para fazer minha voz chegar até estes severos censores, seria motivo suficiente para me sentir satisfeita. Algo de mim ficará neles, como da mesma forma que sua presença repressiva tem marcado minhas crônicas, elas os impulsionarão a saltarem até a liberdade.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

About these ads

Deixar uma resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s