Depois de Juanes

Cuba Juanes

Foto tirada do “El Diario” : www.diario.com.mx

Amanhã amanhecerá como cada segunda-feira. O peso conversível continuará nas nuvens, Adolfo e seus colegas terão outro dia atrás das grades na prisão de Canaleta, meu filho ouvirá na escola que o socialismo é a única opção para o país e nos aeroportos continuarão nos pedindo uma permissão para sair da Ilha. O concerto de Juanes não haverá mudado significativamente nossa vida, porém tampouco fui à Praça com essa ilusão. Seria injusto exigir do jovem cantor colombiano que impulsione aquelas mudanças que nós mesmos não conseguimos fazer; apesar de desejá-las tanto.

Estive naquela esplanada para comprovar quão diferente pode ser um mesmo espaço quando hospeda concentrações organizadas desde cima ou quando abriga um grupo de pessoas necessitadas de dançar, cantar e interagir, sem a política no meio. Foi uma experiência rara estar alí, sem gritar uma palavra de ordem e sem ter que aplaudir mecânicamente quando o tom do discurso mostrava que era o momento de ovacionar. Claro que alguns elementos se pareciam com os de qualquer marcha de primeiro de maio, especialmente a proporção de policiais vestidos de civis no meio do público.

Certos detalhes técnicos mostraram-se incômodos. O áudio não era bem ouvido, a pequena tela que reproduzia o que ocorria no palco não se via a distância e a hora escolhida era inumana, por coincidir com os piores momentos do sol. Por sorte nublou depois das quatro e os que estavam entricheirados sob as poucas árvores poram–se a dançar com Orishas. São detalhes a serem superados na próxima apresentação que Juanes fará em Cuba, nesta onde não abundarão falhas técnicas e em que os excluídos desta tarde poderão cantar.

Se vemos a apresentação deste 20 de setembro como o ensaio geral do concerto que algum dia teremos, então há que se felicitar os que participaram. Inclusive se não houver outra e a Praça retomar sua solenidade e seu tom cinzento, ao menos nesta tarde de domingo vivemos algo diferente. Num lugar onde se tem semeado sistemáticamente a divisão entre nós, Juanes – ao cair do sol – gritou “Por uma única família cubana!”.

Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

About these ads

Deixar uma resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s